sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Porta vizinha



Foto: josé alfredo almeida

Esta tarde



Foto: josé alfredo almeida


Chove...
Mas isso que importa!,
se estou aqui abrigado nesta porta 
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve
senão eu? 

Chove...
Mas é do destino
de quem ama
ouvir um violino
até na lama.

José Gomes Ferreira

O meu Moledo-21

Foto: josé alfredo almeida

Onde eu nasci passa um rio
Que passa no igual sem fim
Igual, sem fim, minha terra
Passava dentro de mim

Passava como se o tempo
Nada pudesse mudar
Passava como se o rio
Não desaguasse no mar

O rio desagua no mar
Já tanta coisa aprendi
Mas o que é mais meu cantar
É isso que eu canto aqui

Hoje eu sei que o mundo é grande
E o mar de ondas se faz
Mas nasceu junto com o rio
O canto que eu canto mais

O rio só chega no mar
Depois de andar pelo chão
O rio da minha terra
Desagua em meu coração

Caetano Veloso


Videiras despenteadas


Foto: josé alfredo almeida




 Podar as videiras é
um exercício em que a estética
prevalece sobre o princípio
dos ramos produtivos. Um
arado corre a direito
para que a geometria
e o comum da terra
possam encontrar-se no fim
das manhãs de Fevereiro.



José Carlos Barros

Ponte com História



Foto: josé alfredo almeida

Quadro da cidade


Foto: josé alfredo almeida

D.Branca





Os reguenses chamaram-lhe a Protectora dos Pobres. 
O Governo concedeu-lhe a Ordem da Benemerência. 
A Igreja, pelas mãos do Papa Pio XII, atribuiu-lhe a medalha Pro Ecclesia et Pontifice. 
Numa homenagem realizados nos anos 70,  o escritor  João de Araújo Correia, num discurso proferido no Salão Nobre da Casa do Douro (que está incluído no livro Palavras Fora da Boca), enalteceu-a com estas palavras:
"D. Branca Martinho, embora cultivasse, como Eva, as graças que lhe tocaram no sorteio de encantos, não passou a vida diante do espelho, não adoptou o calão nem sequer sacrificou à moda as suas tranças loiras - de tom acobreado.
D. Branca Martinho não cultivou, como flor de estufa, o receio de se divorciar do estilo comum. Foi sempre igual a si própria. Fez das suas ideias e das suas crenças opinião tão firme, que nunca lhe voltou a face. Foi mulher de carácter.
Último símbolo do catolicismo burguês, tentou resolver no seu meio, e a seu modo, o problema social. Se fosse apenas senhora, ignoraria este problema. Foi-lhe preciso ser mulher para o sentir e abraçar na ânsia de o resolver.
D. Branca Martinho foi protectora dos pobres desta vila. Protegeu-os de maneira que a sua mão esquerda ignorasse o que fazia a sua mão direita? Não foi esse o sistema da sua caridade. Foi caritativa, mobilizando auxiliares contra a indigência, batendo ao ferrolho dos cofres ricos e importunando, se assim se pode dizer, os ouvidos da governação. Horrorizada com os tugúrios onde agonizavam os pobrezinhos da nossa terra, nunca perdeu o azo de pedir, a qualquer espécie de mando, a construção de bairros asseados para gente humilde. Nunca foi ouvida. Mas, é tempo de o governo local honrar a sua memória, substituindo as pocilgas da nossa terra por casario digno de gente.
Dotada de múltiplos talentos, embora não os granjeasse como se vivesse para os servir, obrigou-os a servir a sua causa, que foi a do bem-fazer organizado para o tornar profíquo. Escreveu artigos sobre artigos e promoveu, durante os seus anos válidos, frequentes espectáculos de beneficência. Celebrizou-se o das Andorinhas - graciosa opereta de Camilo Guedes musicada por Almeida Saldanha.
(...)
Fui amigo íntimo de D. Branca Martinho - sem embargo das suas nem das minhas ideias. Demos, durante  muitos anos, inefável exemplo de tolerância mútua.”

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Uma entrega que se veste por dentro

Ana Margarida Quintela


Há, por detrás daquela farda de calças azuis escuras e casaco vermelho, um altruísmo invejável. É esse espírito feito de dedicação e missão que, aos meus olhos, engrandece cada bombeiro. Dar o melhor de si em prol de quem precisa é uma lição difícil de ensinar ao comum dos cidadãos, porém, o mais surpreendente é quando alguém está disposto a aprender desde tenra idade.
No último ano e por questões profissionais, acabei por conhecer de perto algumas associações humanitárias do distrito de Vila Real, mas os Bombeiros de Peso da Régua ficaram-me nos trilhos da memória
O dinamismo inscrito nas páginas da história da corporação impressionou-me. Foi curioso saber que à data da sua fundação, corria o ano de 1880, dona Antónia Adelaide Ferreira (a Ferreirinha) se revelou, uma vez mais, uma visionária. Acreditou que a Associação podia ser a força motriz daquela terra e, hoje, volvidos tantos anos, os membros orgulham-se de ter essa grande mulher do Douro como sócia nº 1.
Enquanto recolhia retratos a sépia que pudessem ser interessantes para a reportagem, desfilavam, incontroláveis, imagens no meu pensamento. Imaginava, então, o renovado quartel Delfim Ferreira como palco do Baile das Vindimas, de sessões de teatro e de cinema e, ainda mais inusitado, como espaço eleito para dar o nó na década de 60. Imaginava os salvamentos épicos que serviriam de manchete ao jornal Vida por vida, editado mensalmente de 1956 a 1974, ou os olhares de deslumbramento perante as estantes de livros da Biblioteca Maximiano de Lemos, que ainda hoje resiste.
Ao escutar os relatos das ocorrências, percebia a grandiosidade daqueles homens que, mal apetrechados, enfrentavam o rebuliço das águas para acudir à população desesperada. As cheias do rio Douro deixaram marcas que ainda hoje são visíveis nas fachadas de muitas casas, inundaram ruas à sua passagem, levaram bens e talvez vidas. Mas os bombeiros estiveram lá, estendendo a mão, com segurança, controlando o seu próprio medo. Imagino o estoicismo, o heroísmo silencioso daqueles homens.
Depois, foi bom perceber que os dirigentes da casa continuam a querer honrar o passado, lutando com determinação pelos objectivos delineados para o presente e para o futuro. 
A corporação reguense é das mais antigas do país, mas não se furta à perda de vitalidade do voluntariado. Contudo, nesta Associação, a esperança estende-se, com toda a legitimidade, para as gerações mais novas. É Ana Margarida, na altura com os seus 7 anos, que guardo com mais carinho. As feições da sua meninice explicavam-me que, quando crescesse, queria ser médica, mas “não uma médica qualquer”. “Tem de ser do INEM para curar os avós e outras pessoas”, esclarecia. Filiou-se em 2009 na camada dos infantes e, entre a timidez e um sorriso fácil, contava-me que tinha sido divertido porque tinha aprendido a marchar. Agora, que releio estas declarações, olho também com esperança para a pequena Ana Margarida.
Num mundo cada vez mais individualista e indiferente às dificuldades alheias, é reconfortante perceber que há excepções que podem fazer a diferença.
E, nisso, a Ana pode ser inspiradora. Ela é, seguramente, uma criança privilegiada por crescer nesse ambiente de entrega incondicional a uma causa, de atitudes responsáveis, de diálogo franco. Coleccionará muitas vivências nesse corpo de bombeiros onde a união se conjuga no plural e saberá reconhecer, um dia, que essa experiência só é permitida a corações nobres.


Patrícia Posse

Amália na Régua



No dia 26 de Setembro de 1966, Amália Rodrigues, no auge da sua carreira, esteve na Régua, no palco do Cine-Teatro Avenida, a actuar num espectáculo de beneficência a favor dos Bombeiros Voluntários da Régua e da S.C.M. 

A grande rainha do fado veio cantar para agradecer aos bombeiros que, tempos antes, haviam prestado socorro e assistência ao seu marido ferido com gravidade num acidente de viação ocorrido na estrada de ligação ao Pinhão.

Alves Redol e o Douro




Alves Redol e o Douro - Correspondência para Francisco Tavares Teles 

Autor: Gaspar Martins Pereira 

Editora: Edições Afrontamento



"Ao longo de um quarto de século, entre 1945 e 1969, Alves Redol trocou correspondência com Francisco Tavares Teles, comerciante do Pinhão, que acompanhou o escritor neo-realista na preparação dos seus romances e que se tornou um dos seus grandes amigos. Tavares Teles era, de resto, um oásis de cultura no microcosmos duriense dos anos quarenta a sessenta. Colaborador da imprensa local, era um leitor e divulgador compulsivo da literatura portuguesa, associando-se aos círculos intelectuais durienses e de Oposição à ditadura salazarista.A organização deste livro, da responsabilidade de Gaspar Martins Pereira, contou com a preciosa colaboração de António Mota Redol, filho de Alves Redol, e de António Tavares Teles, filho mais velho de Francisco Tavares Teles, que não só autorizaram a publicação do acervo epistolar como escreveram textos introdutórios e forneceram muitas informações essenciais para a anotação das cartas. Este livro beneficiou beneficiou ainda de outros contributos, que enriqueceram a sua versão final, a começar pelo de Manuel Tavares Teles, filho mais novo de Francisco Tavares Teles, e alargando-se a amigos de Redol, como Marta Cristina de Araújo, e a amigos ou familiares de algumas das pessoas mais referidas na sua correspondência para Tavares Teles, como Maria da Luz Magalhães, sobrinha de José Arnaldo Monteiro, o outro grande amigo duriense de Redol."  

Gaspar Matins Pereira  

O meu Moledo-20



Foto: josé alfredo almeida


Não. Não tenho limites.

Quero de tudo
Tudo.
O ramo que sacudo
Fica varejado.

Já nascido em pecado,
Todos são naturais
À minha condição,
Que quando, por excepção,
Os não pratico
É que me mortifico.
Alma perdida
Antes de se perder,
Sou uma fonte incontida
De viver.
E o que redime a vida
É ela não caber
Em nenhuma medida.


Miguel Torga

Fragmento



Foto: josé alfredo almeida





     esta vida é uma viagem
pena eu estar
     só de passagem

Paulo Leminski

Mistérios matinais


Foto: josé alfredo almeida

        rio do mistério
que seria de mim
        se me levassem a sério?

Paulo Leminski

(Re)Conhecer a Régua-9



quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Ponto de Luz


Foto: josé alfredo almeida


Inverno
É tudo o que sinto
Viver
É sucinto

Paulo Leminski

Mãe


Caldas do Moledo, 2-8-1963 


Quando eu nasci,
ficou tudo como estava,
Nem homens cortaram veias, 
nem o Sol escureceu, 
nem houve Estrelas a mais... 
Somente, 
esquecida das dores, 
a minha Mãe sorriu e agradeceu. 
Quando eu nasci, 
não houve nada de novo 
senão eu. 
As nuvens não se espantaram, 
não enlouqueceu ninguém... 
P'ra que o dia fosse enorme, 
bastava 
toda a ternura 
que olhava nos olhos de minha Mãe.


Sebastião da Gama

Vale Abraão


Foto: josé alfredo almeida

Vale Abraão é também um grande filme de Manoel de Oliveira. 
Nele se conta a história de Ema, uma mulher de uma beleza ameaçadora. Para Carlos, o marido com quem casou sem amor, "um rosto como o seu pode justificar a vida de um homem".O seu gosto pelo luxo, as ilusões que tem na vida, o desejo que inspira aos homens, fazem-lhe valer o epíteto de "A Bovarinha".Conhecerá três amantes, mas esses amores sucessivos não conseguem suster um sentimento crescente de desilusão que a leva a definir-se como nada mais que "um estado de alma em balouço".

Manoel de Oliveira inspira-se na história famosa de uma heroína que já entrou no imaginário romântico, mas utiliza-a como um verdadeiro conhecedor, de tal forma que se torna possível improvisar e assim criar o novo a partir do conhecido. Como essa musiquinha que todos temos na cabeça, A Sonata ao Luar de Beethoven, que literalmente acompanha Ema e à qual respondem outros "luares" para outras personagens. Se este filme com acentos musicais e de formas profundamente femininas contém em si todas as gradações de um sentimento erótico, isso deve-se, acima de tudo, ao facto de Oliveira permanecer obstinadamente um cineasta lírico.(...) 
A grandeza do lírico está em que na base da imagem precisa sempre do texto escrito com o qual pode em seguida compor à sua vontade, è um filme concebido como uma música de partitura, mas a partir do libreto.(...) 
Contra todas as ideias feitas, em vez de nos convidar para uma educação sentimental, Manoel de Oliveira apela a um cinema de sensações, mais que à sedução de um cinema de sentimentos. Em Vale Abraão, não há senão cores (todas as da natureza), sons (todos os do mundo), cheiros (como os cigarros que Ema aspira), música, gestos, formas, deslocamentos. Como o quarto arranjado por Maria do Loreto, mulher letrada, para que o marido possa receber as amantes com todo o conforto, também o filme acolhe o reino dos sentidos. Para que a sensualidade do espaço se anime num movimento erótico, Oliveira filma, ultrapassando claramente o mero dispositivo teatral, "as entradas e as saídas"... O movimento secreto e perpétuo, a relação sexual que passa da vida à morte, do momento em que se entra ao momento em que se sai. Vale Abraão poder-se-ia resumir a uma sucessão de entradas em cena, onde se fazem apresentações, como acontece com as três criadas na cozinha, e de saídas de cena e como o último e grave olhar que nos dirige a velha tia ao fazer o sinal da cruz, e de chegadas e de partidas (vejam-se as viagens repetidas de Ema ao Vesúvio ou o extraordinário plano da partida da muda Fitinha com a trouxa na cabeça), de idas e regressos amorosos, de idas e vindas em casas burguesas. Em Oliveira, qualquer "entrada no plano" ultrapassa a alusão técnica e torna-se actividade física: veja-se o momento da chegada ao baile de Ema, que marca a sua entrada no mundo, soberbamente sublinhada pela forma como ela "faz a sua entrada", primeiro em plano de fundo que segue o instante de hesitação antes de entrar no salão... 
As múltiplas personagens de Vale Abraão estão sempre entre duas portas, ou na ombreira da porta, diante de uma janela aberta, no meio de uma refeição, no centro de uma discussão, em frente do espelho, etc. Ema é o corpo feminino do entre-dois, entre dois amantes, entre dois locais, entre a vida sonhada e a realidade da sua existência. É isso que lhe dá aquele ar inatingível, entre a vida e a morte. Este movimento inscreve-se por inteiro e com muito humor desde o início, quando ela caminha desde a casa paterna até ao fim do jardim que dá para uma curva da estrada em baixo e de onde ela pode enfim deslumbrar com a sua beleza os automobilistas que passam, de tal forma que há acidentes graves e "mesmo mortes"... Mas a sociedade dos homens velará para que tudo entre na ordem. E é a esta ordem, a própria negação da vida (e da morte) que Ema quer escapar, sem de todo o conseguir. (...)
Sem a mínima perversidade mas com a máxima perturbação, o filme de Manoel de Oliveira é colocado, do princípio ao fim, sob o signo do feminino, de um olhar feminino pousado sobre o mundo, o olhar de um cineasta que abarca literalmente o movimento erótico infinito do tempo no espaço. E não se julgue que esta é uma história de um tempo antigo que veio visitar o espaço do presente, que este é um cinema que dá vida e realidade a fantasmas.
Vale Abraão, de Manoel de Oliveira, é um dos mais belos filmes do mundo.

Camille Nevers, Cahiers du Cinema n.º 469, Junho de 1993

Bucólica



Foto: josé alfredo almeida


perdia
propositadamente
a ver se em vez do alvo
te acertava no coração 

José Carlos Barros

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Segredos



Foto: josé alfredo almeida




A noite - enorme,
tudo dorme,
menos teu nome.


Paulo  Leminski 

Momentos de uma cheia




Perdidos nas nuvens


Foto: josé alfredo almeida

Convite- Apresentação do livro "João de Araújo Correia-Cronista das Gentes do Douro" de M.J. Martins de Freitas




Azul Profundo


Foto: josé alfredo almeida



Sou aquele que ontem se despia nos braços do poema que
vivia sou aquele que ontem habitava em silêncio o poema
azul que acontecia sou aquele que ontem sonhou em vão…
com o poema azul de mais um dia

Adão Cruz

Infinito Azul



Foto: josé alfredo almeida




Quando é que eu serei da tua cor,
Do teu plácido e azul encanto,
Ó claro dia exterior, 
Ó céu mais útil que o meu pranto?

Fernando Pessoa

Ponte nova



Foto: josé alfredo almeida

Parada Agrícola





"Foi sol de pouca dura a parada agrícola como elemento nobre das festas do Socorro. Não chegou a ser, como devia ser, tradição. Fez-se enquanto viveu o Dr. Bernardino Zagalo, que foi o seu criador. Caiu com ele como se quisesse justificar o dito: morreu a macaca, acabaram-se as pantominas. Se mais algumas vezes se realizou, foi graças ao impulso adquirido, resto de seiva de árvore condenada.
É triste condão de terras escarnecer de ideia exposta ou sonho acalentado por quem se distinga do barro comum. A parada agrícola, entre nós, foi uma espécie de maluqueira do Dr. Zagalo. Quanto brilhe ou aqueça, é repudiado pela má vontade ordinária à luz e ao calor.
Quis o Dr. Zagalo que a nossa Régua, a sua pátria adoptiva, mostrasse em cada ano, a quem a visitasse, tudo quanto vale como centro produtor de maravilhas agrícolas. Elogiava-as como tecesse a cada espécie uma ode multicor.
Não há maior óbice ao progresso da província do que a oposição geral a um alvitre, um plano, uma devoção de vizinho dotado de sabedoria. A parada agrícola não chegou a ser tradição, porque foi uma tineta do dr. Zagalo.
Pois, é necessário que volte. É necessário que ressucite a parada agrícola. É necessário que todos os anos se realize, dentro ou fora do programa das festas do Socorro. Setembro, a segunda quizena de Setembro, seria uma bela quadra para se realizar. Entre os Remédios e as Vindimas, com os frutos bem sazonados, o que não sucede em Agosto, pelo Socorro... Antes de começar a Vindima, que, começando, absorve no Douro todas as mãos e cabeças."

João de Araújo Correia

Nuvem de fogo


Foto: josé alfredo almeida

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Detalhes do tempo



Foto: josé alfredo almeida



Onde tudo se refaz...
Deixa-me ser o que sou,
o que sempre fui,
um rio que vai fluindo.
E o meu destino é seguir... seguir para o mar.
O mar onde tudo recomeça...



Mario Quintana

DONA ANTÓNIA - A Sócia Contribuinte nº1 dos Bombeiros da Régua





Francisco Correia – A senhora dona Antónia dá licença?

Dona Antónia – Senhor Correia, ainda bem que chegou! Quero ir às Caldas do Moledo ver como vai o movimento dos banhos!

Francisco Correia – Mas está fresco!

Dona Antónia – Ora, ora… Nada disso…É verdade, ontem esqueci-me de lhe falar das obras da Capela do Cruzeiro!... Tenho muito gosto em contribuir com uma quantia significativa… desde que não alterem nada do que mostraram no desenho! É muito dinheiro! Aquela capela merece ser bem recuperada! Ali estão os símbolos do Peso e da Régua!

Francisco Correia – Como a Senhora desejar…Quando achar conveniente, indica-me a quantia.

Dona Antónia – Também hei-de ajudar a igreja de Godim na recuperação do altar do Senhor da Misericórdia (pensativa)…e misericórdia tenha de nós!

Francisco Correia – Na verdade, a vida não está fácil!

Dona Antónia – Não se esqueça dos Bombeiros! Eles dão a vida pela vida dos outros... merecem!

Francisco Correia – Merecem sim! O senhor Manuel Maria Magalhães ficou de passar por cá, para cumprimentar a senhora dona Antónia e convidá-la para sócia contribuinte.

Dona Antónia – Esse senhor Magalhães é um homem muito dinâmico, não é? Ele também não pertence à mesa do Hospital?

Francisco Correia – É um homem de direito, muito empenhado na evolução da Régua! O Hospital já está a funcionar…graças aos donativos da Senhora.

Dona Antónia – Meus, da minha família e principalmente do meu falecido marido, Francisco Torres! Aliás, se todos pensassem como eu… Cada um, na sua terra, deveria fazer tudo o que fosse para bem da humanidade! (mudando de tom) Está bem!...Mudemos de assunto…
(chega uma criada)

Maria – A senhora dá licença? Acabou de chegar um senhor que diz ser dos Bombeiros.

Dona Antónia – Não me diga que é ele? Só pode ser boa pessoa! Manda-o entrar, Maria.

Francisco Correia – O senhor Manuel Maria Magalhães!...vai ser o  comandante!
(a empregada fá-lo entrar)

Sr. Magalhães – Dão licença?

Dona Antónia – Entre! Entre, sr. Magalhães.
(O sr. Magalhães cumprimenta com uma curta vénia dona Antónia e F. Correia)

Dona Antónia – Então como vão as diligências para o arranque dessa associação de Bombeiros?!

Sr. Magalhães – Senhora dona Antónia, venho informá-la que os estatutos estão prontos, foram redigidos pelo Dr. Claudino, o nosso Presidente da Câmara. E seremos, se tudo correr como todos desejamos, dos primeiros a ter uma instituição de intervenção social, tão necessária.

Dona Antónia – Fico contente…já que me visita só para me comunicar que vamos ter uma Associação de Bombeiros! Estamos todos mais descansados!

Francisco Correia – Senhora dona Antónia, repare no livro que o sr. Manuel Maria de Magalhães traz!...
(Riem um pouco…)

Sr. Magalhães – Senhora dona Antónia, tenho a honra de a convidar a assinar o Livro dos Estatutos da Associação e Inscrição dos Sócios Contribuintes! A senhora será a sócia contribuinte nº1. (passa-lhe o livro)

Dona Antónia – Ora muito bem, muito bem!…Sócia Contribuinte?!... não é verdade? E então vou contribuir?...

Sr. Magalhães – A jóia será de 500,000 mil réis e a quota mensal 200,000 mil réis. Acha bem?

Dona Antónia(tosse um pouco) Ora bem! E já falaram a outras famílias cá da Régua? Os Barretos, os Vasques?

Sr. Magalhães – Já foram contactados e ninguém recusou!

Dona Antónia – Todos temos a obrigação de contribuir! É urgente existir na Régua uma associação desta natureza devidamente equipada! Já viu, se acontece algum incêndio na altura em que há pipas e pipas de aguardente nos nossos e em outros armazéns!...

Francisco Correia – Lá isso é verdade, seria uma tragédia!

Sr. Magalhães – A sra dona Antónia disse bem, “devidamente equipada” ! Mas esse é o maior problema! A estação de material, no Largo da Chafarica, é um sítio já muito acanhado. A Câmara não tem grandes meios e nós precisamos de bombas mais modernas, mangueiras, um carro de escadas, fardas…

Dona Antónia(olhando-o de alto a baixo) Ó sr. Magalhães, olhe que essa sua farda fica-lhe mesmo a matar!!! (tosse)

Francisco Correia – (comenta) Comandante é comandante!

Sr. Magalhães(sorri) Nós também temos um grupo dramático, uma banda de música…preocupamo-nos em valorizar a cultura e o divertimento!

Dona Antónia – É bom que as pessoas…dêem valor à cultura!

Sr. Magalhães – A leitura de bons livros, julgo ser da máxima importância…só que a nossa biblioteca está reduzida a uma estante de livros…

Dona Antónia(tosse) Já entendi, sr. Magalhães, já entendi! Precisa de livros…ou melhor…uma quantia para aumentar essa estante! Não é verdade? (uma criada entra a correr)

Josefina – Minha senhora! Há fogo…há fogo! O sino do Cruzeiro não pára de tocar…

Sr. Magalhães(preocupado) Quantos toques? Quantos toques ouviu?

Josefina – São sete! Sete badaladas!  (à parte) ou foram oito?

Sr. Magalhães – Ora sete…Ameixieira…senhor dos Aflitos…peço desculpa, senhora dona Antónia, mas tenho de me apressar…não posso ser o último a chegar!

Francisco Correia – Eu acompanho-o… (saem os dois apressadamente)

Dona Antónia – Acho bem… Espero que não seja em nenhuma das minhas casas…Eu tenho lá várias… (esquece)

Aqui ficou o Livro….vou assinar sem testemunhas! O que eles querem é uma quantia sempre certinha…e mais alguma para mais umas extravagâncias… (assina e fecha o livro em seguida) Ele cá há-de vir buscá-lo! É simpático, bem apessoado! Sim senhor!
(mudando de tom) Ora bem, amanhã é domingo? Pois é…amanhã é domingo…temos bodo aos pobres!
(toca a campainha e aparece uma criada) 

Chica – A senhora chamou?

Dona Antónia – Sim, Chica! Na cozinha, lembra à Maria que tenha fartura de alimentos. Quero dar um bodo a essa gente que costuma vir assistir à missa.

Chica – Sim, minha Senhora! O tempo tem ido tão ruim! Há muita fome por aí!

Dona Antónia – Então eu não sei?...Vai…vai…despacha-te! Diz ao Damásio que quero ir ao Moledo e, na passagem, quero ir ver como vão os preparativos para a vindima na Quinta do Santinho… (ri-se) Fica em caminho, Chica!

Chica – (como se já contasse) O Damásio tem a caleche pronta, como sempre e como a senhora gosta. Mas está fresco…não vai adoecer?

D. Antónia – Ora, ora…tens cada uma! Estes meus empregados! Sou alguma velha?
(saem e a criada tem de lhe levar o agasalho de que ela faz questão de se esquecer)

Josefina – (entra um pouco esbaforida…) Minha Senhora, minha Senhora! (repara que já não há ninguém na sala) Ainda bem que já não está cá! Então não é que eles já estão de volta!? Estou a ver que foi só fumaça…. ou será que me enganei nos toques…mas eu contei…sete! Será que não foram? Enganei-me! Ahahah… foram dar uma voltinha à Régua…ver se estava mais direita!


Excerto da peça de teatro “A Ferreirinha - uma mulher fora do seu tempo” 
Grupo de Teatro da Universidade Sénior do Peso da Régua

(Re)Conhecer a Régua-8




Barco de Paz


Foto: josé alfredo almeida

Braços de Baco


Foto: josé alfredo almeida

Neblina da manhã



Foto: josé alfredo almeida

domingo, 26 de janeiro de 2014

Oração



Foto: josé alfredo almeida

A minha eternidade neste mundo
Sejam vinte anos só, depois da morte!
O vento, eles passados, que, enfim, corte
A flor que no jardim plantei tão fundo.

As minhas cartas leia-as quem quiser!
Torne-se público o meu pensamento!
E a terra a que chamei — minha mulher —
A outros dê seu lábio sumarento!

A outros abra as fontes do prazer
E teça o leito em pétalas e lume!
A outros dê seus frutos a comer
E em cada noite a outros dê perfume!

O globo tem dois pólos: Ontem e hoje.
Dizemos só: — Meu pai! ou só:— Meu filho!
O resto é baile que não deixa trilho.
Rosto sem carne; fixidez que foge.

Venham beijar-me a campa os que me beijam
Agora, frágeis, frívolos e humanos!
Os que me virem, morto, ainda me vejam
Depois da morte, vivo, ainda vinte anos!

Nuvem subindo, anis que se evapora...
Assim um dia passe a minha vida!
Mas, antes, que uma lágrima sentida
Traga a certeza de que alguém me chora!

Adro! Cabanas! Meu cantar do Norte!
(Negasse eu tudo acreditava em Deus!)
Não peço mais: — Depois da minha morte
Haja vinte anos que ainda sejam meus!

Pedro Homem de Mello

(Re)Conhecer a Régua-7




Para onde caminham aquelas duas mulheres, talvez  sejam uma mãe e uma filha, que vemos de costas para nós, uma mais velha envolta num xaile pelas costas e a mais nova agasalhada num casaco grosso e comprido? E quem  será aquele homem, onde se distingue a silhueta de um corpo, que parece esperá-las na esquina de uma casa de habitação familiar com as suas grandes janelas fechadas? O mais certo, é que nunca conseguiremos saber nada dessas pessoas nem dos rastos que deixaram das suas vidas. Mas já acredito que ainda  haja quem saiba dizer o nome desta rua da Régua. Verdade?

Esperar por ti



Foto: josé alfredo almeida

Espantado meu olhar com teus cabelos
Espantado meu olhar com teus cavalos 
E grandes praias fluidas avenidas 
Tardes que oscilam demoradas 
E um confuso rumor de obscuras vidas 
E o tempo sentado no limiar dos campos
Com seu fuso sua faca e seus novelos 
Em vão busquei eterna luz precisa 


Sophia de Mello Breyner Andresen

Nosso mundo


Foto: josé alfredo almeida


AH! QUEREM uma luz melhor que
a  do Sol!
Querem prados mais verdes do que estes!
Querem flores mais belas do que estas
que vejo!
A mim este Sol, estes prados, estas flores contentam-me.
Mas, se acaso me descontentam,
O que quero é um sol mais sol
que o Sol, 
O que quero é prados mais prados
que estes prados,
O que quero é flores mais estas flores
que estas flores -

Tudo mais ideal do que é do mesmo modo e da mesma maneira!

Alberto Caeiro