domingo, 23 de abril de 2017

Li joão de Araújo Correia

Foto: arquivo da Tertúlia João de Araújo Correia




"Foi assim, pois, em 39 linhas, que li João de Araújo Correia pela primeira vez – para logo o procurar e entrar no deslumbramento dos «Contos Bárbaros» e de uma mancheia de outros títulos, incluindo o genial «Folhas de Xisto», que o padre Arnaldo, tão seu grande admirador, me emprestou de uma só vez. Foi assim, em 39 linhas, que descobri este contista a que Aquilino, afinal, se referira como mestre – seu e dos seus pares. Um escritor de uma prosa tão correntia e tão sedutora como esta, descoberta a páginas 73: «Das terras frias da Beira, onde o ar é fino e a leiva arável, cristalina a água e o pão fácil, terras pobres onde a pobreza se veste de burel e linho à sua custa, terras onde o cristianismo não é uma palavra, porque não há ricos; dessas terras alegres desceram os ranchos a vindimar no Douro taciturno. São os poetas a exalçar de fronte erguida o trabalho dos cavadores heroicos. Estes não cantam. Executaram a obra. Podaram e cavaram. Foram enfermeiros de vide atreita a males ruins. Comeram uma côdea. Viveram a crédito. Tremeram maleitas enquanto redraram. Exaustos de sacrifício, estes braços afeitos ao trabalho rude não teriam agora forças delicadas para o trabalho doce de vindimar."


José Carlos Barros

(José Carlos Barros nasceu em Boticas (1963). Estudou na Escola Secundária Fernão de Magalhães (Liceu de Chaves) e na Universidade de Évora, onde se licenciou em Arquitectura Paisagista. Os seus primeiros textos foram publicados no jornal Notícias de Chaves. Enquanto estudante do Liceu, publicou dois livros fotocopiados que não costumam aparecer nas suas referências biográficas: «Lá em Baixo Fica o Céu» e «O Fogo das Cinzas».
Desde então, este original poeta e escritor transmontano publicou: "Pequenas Depressões" (com Otília Monteiro Fernandes – 1984); "Uma Abstracção Inútil" (1991); "Todos os Náufragos" (1994); "Teoria do Esquecimento" (1995); "As Leis do Povoamento" (1996); "O Dia em Que o Mar Desapareceu" (2003); "Las Moradas Inútiles" (edição bilingue, Punta Umbría, 2007; edição em castelhano, La Habana, Cuba, 2009).
Venceu vários prémios literários (o último dos quais, no passado mês de Abril, foi o "Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama 2009", com o livro, ainda inédito,"Os Sete Epígonos de Tebas") e está representado em várias antologias em Portugal e em Espanha.
E recentemenre publicou os romances: "O Prazer e o Tédio" (2009) e "Um amigo para o Inveno" (2013), muito bem considerados pela critíca.) 

Barco na paisagem-268

Foto:josé alfredo almeida

Pontes da Régua-990

Foto:josé akfredo almeida