terça-feira, 15 de setembro de 2015

Gata que fala

Foto: josé alfredo almeida



Eu nunca escreveria sobre gatos.
Sobre o seu pelo macio e o seu mau feitio e a sua proverbial independência.
Há gatos que passeiam pelas vagas inspirações dos poemas e pelos inesperados desacordes dos teclados.
Muito se fala do sorriso esfumado do gato de Chester e muito se ignora a aflição de Alice.
Há os gatos elegantes da infância e os gatos rechonchudos da velhice.
Há famosos pintores de gatos e gatos que ninguém sabe como entraram na tela.
Há gente que perde tempo a falar de gatos, dos seus gatos, e das pobres pessoas que nunca tiveram um gato.
Há gatos que se instalam nas páginas de um texto e esfarrapam as melhores intenções do seu autor, determinado a não falar de gatos.



Licínia Quitério, 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário