quarta-feira, 8 de março de 2017

Doido por ti




Existe uma ordem Universal
onde nada é deixado ao acaso?



Disseste-me que não era o tempo.
Ambos sabíamos disso, no entanto, se me tivesses pedido eu largava tudo.
Mas tu, não me pediste.

Não podemos sair de uma vida, como quem fecha uma porta,
sem olhar para trás.
Disseste-me num murmúrio.

Ah, se me tivesses pedido, eu largava tudo.
Dava o corpo às balas,
morria por ti.

O pensamento é um cavalo a galope, um pássaro veloz, a correnteza rápida e transparente de um riacho. Volto tantas, tantas vezes a ti, ao nosso encontro ao fim da tarde à beira rio.
Arde-me o beijo que não demos, chama nunca extinta.

As palavras ditas, não contêm a essência do silêncio.

Numa mensagem que nunca chegou a ser enviada, ele escreveu:
Sou doido por ti.



Ana de Melo

2 comentários:

  1. ...Supera ,,todas as minhas expectativas ..!!

    È MARAVILHOSAMENTE ....MARAVILHOSO !!!

    PARABÈNS ..ANA DE MELO...!!

    Parabéns ..meu amigo ..JOSÈ ALFREDO...!!

    ResponderEliminar